Política

Eles decidiram desafiar a crise para lan�ar novos negócios

Vacunarán a personal de salud de la selva de Delta Amacuro

DESDE 1927 A maior plataforma multimídia do Interior 26�C 15�C EDI�óO IMPRESSA Campinas, PANDEMIA Eles decidiram desafiar a crise para lan�ar novos negócios A despeito das crises sanitária e econ�mica, empresários de Campinas decidiram enfrentar as adversidades do período e inaugurar novos empreendimentos na cidade Publicado 17/04/2021 – 16h18 – Atualizado 17/04/2021 – 16h41

Por Gilson Rei/ Correio Popular

��� ��

Ricardo Lima/ Correio Popular

O casal Ana Paula Marcelo e Eduardo Stegun instala letreiro na hamburgueria que será inaugurada em breve: oportunidade de crescer na crise

Mesmo com as dificuldades e entraves gerados pela pandemia no comércio e na economia, muitos profissionais e empreendedores estão virando o jogo ao arregaçar as mangas no planejamento e no investimento em novos negócios na Região Metropolitana de Campinas (RMC). O volume de aberturas de empresas no primeiro trimestre deste ano superou em 30,35%, comparado ao total de novos negócios no mesmo período do ano passado nas 20 cidades da RMC. Neste ano, a RMC registrou a abertura de 4.501 empresas no primeiro trimestre contra 3.453 empresas abertas nos três primeiros meses de 2020. O chef Fernando Possenti e seus sócios fizeram um amplo planejamento de crise antes de abrir a pizzaria Os dados fornecidos pela Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) mostram que Campinas foi o município com maior poder de atração de empresas, chegando a 2.024 aberturas de novos negócios. O segundo lugar ficou com o município de Indaiatuba, registrando 470 aberturas, seguido por Americana com 376 empresas novas. O total de 2.024 novas empresas abertas em Campinas neste primeiro trimestre representa 469 estabelecimentos a mais, comparado ao mesmo período de 2020, quando foram abertos 1.555 empresas. Foi um aumento de 30,16% na cidade. O melhor percentual de ativação de empresas na RMC ocorreu em Artur Nogueira, que contou com a abertura de 51 empresas entre janeiro e março de 2021 e nenhuma no primeiro trimestre de 2020, o que representou um aumento de 151%. O segundo melhor percentual foi em Vinhedo, com o registro de 56,7% de aumento no número de empresas ativas, passando de 107 aberturas, em 2020, para 167 novos negócios em 2021. O terceiro lugar ficou com Sumaré, que registrou 46,53% de aumento na quantidade de empresas abertas, sendo 211 empresas ativas em 2021, contra 144 aberturas em 2020. Alimentação lidera A maior parte dos novos negócios é de empresas médias, pequenas, micro e microempreendedores Individuais (MEIs). Os segmentos que apresentaram maior número de aberturas foram os de alimentação e de supermercados, com a introdução nas modalidades delivery e drive thru, seguidos por Tecnologia da Informação (TI), farmácias e drogarias e por materiais de construção. Uma das empresas novas em Campinas é a Pancho Culinária Callejera – Culinária Latina de Rua. A empresa foi criada por três jovens empreendedores que têm experiência profissional em gastronomia há pelo menos cinco anos e oferece como principal atrativo a inovação e a criatividade nos sabores. Lucas Grilli Maia, 33 anos, um dos idealizadores, disse que a Pancho Culinária Callejera é um lugar que oferece lanches, porções e refeições que vão além da comida mexicana, mas também opções tradicionais da culinária do Uruguai, Peru, Colômbia, Cuba e outros países. Maia explicou que ele e os irmãos Arnaud, 30 anos, e Alexandre Etechebere, 26 anos, trabalharam juntos em um restaurante mexicano. “Com a pandemia, decidimos colocar em prática um sonho antigo de oferecer a culinária latina, abrangendo especialidades de diversos países e culturas”, comentou. “Houve um estudo, muitas pesquisas e um planejamento para abrir um food truck na pandemia, voltado inicialmente ao delivery, mas pensando em expansão de outros projetos no pós-pandemia”, disse. Os empreendedores comparam uma Kombi antiga e fizeram uma verdadeira transformação, deixando apenas a carcaça. Interiormente, criaram uma cozinha profissional fixa, ao lado de uma oficina e restauração de carros antigos, o Hot Garage Brotherhood Custom, no Taquaral. Maia contou que o nome é uma mescla de “Pancho Villa”, revolucionário mexicano e Pancho Fierro, artista plástico peruano. “São duas referências históricas na América Latina, cada um a seu estilo. “, disse. As opções de lanches e porções são um diferencial. “Entre os lanches apresentados estão Chivito, um dos lanches mais tradicionais do Uruguai, inventado em 1940 que traz a típica mistura de comida de rua. Outro é o Peruvian, um lanche 100% vegano, que traz ingredientes consumidos no país que dá nome ao sanduíche, o Peru”, exemplificou. Mais uma opção é o Patacones, da Colômbia e de diversos outros países da América, feito com banana. Planejamento Outra empresa que está nascendo em Campinas é a Galeria 1212, que reúne diversos segmentos do comércio, tendo como base principal uma pizzaria e uma hamburgueria. A inauguração será no mês que vem, no Cambuí. O mentor é o chef Fernando Possenti, que atua no ramo de churrascaria profissionalmente há cinco anos e que firmou parceria com outros três empreendedores mais antigos da cidade no ramo de bares e casas noturnas – Caos, Club 88 e Sàla 575. Possenti explicou que antes a pandemia trouxe dificuldades no seu ramo de atividade porque os eventos acabaram neste período. “Diante disso, fiz um amplo planejamento, tendo como base a gastronomia, porém considerando o pior cenário possível. Tudo foi detalhado, custos, gastos, fornecedores e situações de crise. Não podia empreender de forma aventureira”, comentou. Um sobrado do Cambuí vai abrigar a galeria com uma pizzaria e uma hamburgueria como principais atrações. Dentro foram criadas outras opções como cafeteria, salão de tatuagem, loja de roupas, bar e até uma rádio. “A Galeria 1212 trará o dia e a noite sua multifuncionalidade. Vai reunir moda, música, arte, tattoo e boa gastronomia. Uma rádio online, a Radio Frida, vai ocupar seu lugar no quintal, e vai receber podcasts, artistas de brasilidades, groove, hip hop e eletrônico, sob a curadoria dos DJs Eli Iwasa, Barata e Tuca”, comentou. Para o segundo semestre, o Galeria 1212 vai ser instalado também na região do Jardim Primavera, para atender um novo público. Além da pizzaria e da hamburgueria, haverá pista de skate, palco para shows e parede de escalada. “A idéia é fazer eventos e churrasco no local”, comentou Possenti. Oportunidade Uma outra empresa será inaugurada também em maio, em Campinas. É a 67 Home Burguer no bairro do Taquaral. O casal de empreendedores, Ana Paula Marcelo e Eduardo Monteiro Stegun, decidiram em plena pandemia realizar o sonho de ter um local fixo na gastronomia que ambos já desenvolve na cidade na forma de Food Truck há cinco anos. “Conquistamos muitas coisas nestes cinco anos e sentimos que há potencial para ousar um pouco mais e colocar em prática um plano antigo”, explicou Ana Paula. A empreendedora disse que a experiência acumulada neste período poderá ser aplicada neste momento, mesmo com todas as dificuldades que a pandemia oferece. “Estudamos há muitos anos a possibilidade de passar para esta etapa de ponto fixo e decidimos que este é o melhor momento. Vamos trabalhar com as normas do Plano São Paulo, pelo sistema de delivery e quando a pandemia for melhor controlada a tendência será de deslanchar na atividade”, comentou. Volume de encerramento de empresas cai em 2021 Outro indicativo de reação nos novos empreendimentos é o menor volume de fechamentos de empresas entre janeiro e março deste ano, comparado ao mesmo período do ano passado. A quantidade de negócios encerrados nas 20 cidades da RMC atingiu uma redução de 5,92%. Neste ano houve o fechamento de 2.512 estabelecimentos no primeiro trimestre, contra 2.670 empresas encerradas no mesmo período do ano passado. O maior número de encerramentos de negócios foi em Campinas com 1.108 empresas fechadas. Em seguida vem a cidade de Americana, com 237 encerramentos de atividade e Indaiatuba, com 230 empreendimentos encerrados. Artur Nogueira foi o município que menos sofreu com fechamentos de empresas. No ano passado, a cidade teve 38 empresas encerradas no primeiro trimestre, contra 26 empresas fechadas em 2021 no mesmo período, uma queda de 31,58%.